segunda-feira, 16 de julho de 2018

E.A.T.

Nova história confirmada. Nossa nova "heroína" é uma blazaquiana. Entre o baterista certinho e religioso e o vocalista depravado, ela só consegue chamar atenção do vocalista. Mas ela tem um porém. Uma Olá chadashá num sociedade que vive de fome, e el tem um longo histórico de bulimia.... Mesmo lidando com transtorno alimentar há 20 anos e vivendo em um bairro russo, ela não entende como comer tão pouco. No Bairro russo, Valéria é sua melhor amiga e tem idade para ser sua filha. Svetlana diz a Valéria que era anoréxica, então valéria começa a perder peso rapidamente. Enquanto isso o namorado de Svetlana, 13 anos mais novo, está em Gaza desarmando minas. Svetlana não tem coragem de falar que tem um namorado 13 anos mais novo. Enquanto isso Svetlana pensa em um casamento arranjado com Kobi, 7 anos mais velho, mas que acha que nenhuma mulher está ao nível dele: Uma Turca cristã que já o mandou catar coquinho 500 vezes até esfregar o filho primogênito na cara de kobi 666 vezes. Nem tudo termina em café.... Svetlana começça uma dieta saudável, até que um morador de rua lhe pede um cigarro e menciona o quão gorda svetlana está. * * * Espero entregrar ao meu público uma história que vá virar vocês de ponta cabeça! Fiquem ligados!

quarta-feira, 18 de abril de 2018

Tomei Um Toco Épico do Bruce Dickinson (Sonho)

Tomei um toco épico do Bruce Dickinson, tão épico, que mesmo sendo em sonho, tá doendo até agora. Engraçado que eu sonho sempre com a mesma casa. O exterior dela pode ser diferente, pode até ser em um prédio, mas por dentro, continua a mesma coisa. Se fosse Inception, diriam que meu arquiteto de sonhos é muito preguiçoso. Bom, o Bruce Dickinson chegou lá em casa na alta madrugada (como se houvesse alta madrugada para mim. Estou escrevendo enquanto cozinho o café da manhã). Só havia mulheres na casa, todas casadas, menos eu. Se eu te tenho adicionada no facebook, e tu és casada, existe alguma probabilidade de tu teres estado no sonho também. Não dou nomes porque não quero arrumar encrenca para ninguém. Enfim, somente mulheres na casa. Ele estava a pé e perdido em Tel Aviv. Falamos para ele ficar e ir embora ao amanhecer. Não lembro muito da chegada, lembro mais da imagem dele no portão. Pegamos para assistir um filme trash de terror. Eu não lembro direito do filme. Tenho alguns flashes em preto e branco: a gente no sofá rindo e comendo pipoca e descendo uma garrafa de gin. Eu lembro de ter ido à cozinha algumas vezes pegar o gin enquanto via o pessoal sentado no sofá, rindo conversando. Eu via eles por trás, em flashes preto e branco. Eu me lembro de terem me falado algo sobre sonhar em preto e branco, mas eu não tenho certeza se o preto e branco era um sonho em preto e branco ou se era o reflexo da tv. No dia seguinte, não necessariamente de manhã, eu estava vestida de um jeito que não é muito meu tipo: saia curta, blusa de alcinha, coturno curto (eu tenho essas peças, mas nunca as combino desse jeito) enquanto olhava o quintal de terra com galinhas ciscando. o Bruce Dickinson me chamou do outro lado da casa (ainda no quintal) e veio dar em cima de mim. Eu obviamente, como sempre estrago tudo, fiz um cu doce danado e ele não insistiu. Enfim, ele saiu dando em cima de todas as outras mulheres na casa (sim, tinha mulher para caramba na casa). Sempre acontecia a mesma coisa: Ele dava um beijo na mulher, que aceitava de início, mas depois dava um toco nele dizendo: "não posso, sou casada!" (e foi assim com todas) Obviamente eu me arrependi de ter feito cu doce, mas eu preferi entra para "A Ceita" ---> Aceita que dói menos! Tudo começou a ficar muito tedioso para mim, um verdadeiro marasmo sem fim. O marasmo daquela tarde estava pegando pesado. Estava difícil passar aquela tarde sóbria no marasmo, eu olhava a garrafa de gin e só tinha uma última dose. Resolvi chamar o pessoal para ir no posto comprar cerveja. As gurias da casa acabaram desistindo e ficamos só eu e o Bruce Dickinson para ir comprar a cerveja.A diversão da noite anterior deu lugar a um dia tri chato. Comecei a me arrumar, afinal, eu estava indo ao posto com o Bruce Dickinson!!! Mas ele, ele não gostou muito do tempo que eu demorei para me arrumar. No fim achei melhor colocar minhas botar de veludo com o vestido de veludo, mas ele me apressava. Eu tinha palmilhas para colocar dentro dessa bota (sim, eu tenho essa bota do sonho, mas ela não precisa de palmilhas), como ele ficou em cima dizendo que eu estava demorando muito, eu coloquei as palmilhas todas erradas e a sola da bota doía (a sola dessa bota não dói). Terminei de me arrumar e ele apareceu na janela (esta casa que eu sempre sonho tem um cômodo que tem uma janela que dá para outro cômodo interno) dizendo que não ia mais. Que eu era igualzinha à guria do filme trash holandês (holandês?!) que a gente tinha assistido. Que era melhor ele ficar longe de mim porque qualquer pessoa que chegasse perto de mim seria envolvido (neste momento me veio à cabeça uma imagem do filme. Eu era a guria que já estava toda canibalizada por si mesma, e arrancava uma parte do músculo do braço com tendões e tudo. Já não restava muito do corpo da guria, o lado esquerdo tinha marcas de mordidas nele todo, algumas partes mostrando o osso) e seria levado a perder cabeça ao ponto de auto canibalizar como no filme e que ele preferia ir embora. Ele virou as costas e saiu, eu corri até a janela e acordei nessa hora. Se os sonhos são um reflexo do subconsciente, então será que eu me enxergo tão má assim?! Eu também estava bem mais magra no sonho, do jeito que eu queria ser, não do jeito que eu estou. Isto não foi esta noite, foi na noite anterior, mas até agora isso não me sai da cabeça.

segunda-feira, 26 de março de 2018

Acorda Pro Mundo!

Não estou conseguindo acordar para a vida. Meu pescoço está enrijecido. Ligo a TV e as notícias me irritam. Coloco meio diazepam debaixo da língua para ver se para essa tensão sem explicação. Mas acho que isso tudo é em vão. Daqui a pouco vão bater na minha janela e perguntar (detalhe para o Beck na mão da pessoa), como se fosse alguma surpresa: _ Mas bah, tu não saiu de casa ainda?! Pois é, tem gente que não aceita que tem gente que não necessariamente precisa sair de casa naquele horário em que a pessoa quer e não adianta explicar.

Estou escrevendo para dizer que eu não vou escrever: Sirenes e Sudaneses

Sentei para escrever, mas acabei me perdendo nesse clipe do Bon Jovi. Pensando em um Bon Jovi "pedófilo" (essa guria tem entre 14, no máximo 16 anos), um clipe que provavelmente o próprio Bon Jovi queria sumir com ele, mas a gravadora não deixa. Acabei viajando numas coisas de quando eu tinha essa idade. ProErd?! Proerd de cu é rola na minha época. Na minha época era "Christiane F. 13 anos, drogada e prostituída" - O que surtiu um efeito completamente oposto na minha geração. Comecei a fumar cigarros justamente assim. Juntamos algumas gurias da classe e: "Pô! Essa guria só tem 13 anos e já está viciada e prostituída e a gente nem sabe o que é maconha!" (Sim, aquele negócio de adolescente de acharque alguém 1 ano mais novo é infinitamente mais novo que tu). Minhas amigas queriam arrumar logo alguém que vendesse maconha, mas eu puxei o freio de mão (do jeito errado, mas puxei): _ Como nós vamos fumar maconha se nem tragar a gente sabe?! Vamos treinar primeiro com cigarros! E foi assim que eu virei fumante há 20 anos e 8 meses (e todas as minhas amigas da época também. Todo mundo fuma até hoje). E de repente eu estou olhando para o Bon Jovi embalado à vácuo neste clipe e me lembro: Quando eu fui morar nos EUA, tive que aposentar todas as minhas calças..... Eram justas demais para o padrão americano..... Mas para homem pode?????? Já em Israel era uma coisa bem mais próxima ao Brasil.... Leggings idênticas ao jeans à venda em todos os lugares. Eu chegava em casa e tirava minhas roupas israelenses epensava: "pô, eu tava embalada à vácuo nesse negócio" E não vou escrever porque já é segunda, segunda começa minha rotina de novo. Já não é mais sábado à noite que eu tenho que dizer pro pessoal no Brasil que domingo é dia útil em Israel e eu estava 4 horas à frente. Amanhã tenho que pegar minha ordem judicial, digo, "exames", no posto. É Bizarro que aqui no Brasil eu moro tão escondida que nem a justiça me acha, deixam a ordem judicial no posto de saúde e o pessoal me liga dizendo para ir ao posto pegar pedido de exame e chego lá é uma ordem judicial. (justiça esforçada essa nossa...... Só que não!) E por falar em justiça de merda...... Lembram do caso da tentativa de estupro na praia?! Que os policiais queriam que eu dissesse de qualquer forma que foi um sudanês?! Pois é, hoje a postagem de um amigo meu no facebook deu o que falar. Ele defendia a não deportação dos Sudaneses. Quem era à favor da deportação, falou com um racismo sem fim e sem vergonha de ser racista. O que está acontecendo em Israel sobre os sudaneses é uma bizarrice sem fim...... Nos últimos 15 anos Israel fez vistas grossas à imigração de sudaneses, e no último ano o Netanyahu resolveu "se livrar" dos sudaneses, mesmo os nascidos em Israel (isso explica um pouco porque as mulheres sudanesas se comportam como as verdadeiras "Rainha de Sabá" quando têm filhos).Enfim, o Netanyahu ofereceu uma grana (não lembro quanto) para os sudaneses se retirarem do país por conta própria, para voltarem pro sudão ou para serem refugiados em qualquer outro lugar que não seja Israel. E deixou avisado que quem não aceitar essa ajuda financeira para ir pra ninguém sabe aonde, vai ser chutado para fora do país sem essa ajuda financeira. Isso mesmo, famílias com filhos criados em Israel e muitas vezes dentro do judaísmo, estão sendo expulsas!!!!! Isso é absurdo para qualquer país no mundo ocidental! Tá certo que até eu mesma tive tretas com sudanesas, porque uma sudanesa com criança no colo quer ser tratada como são as reproduções ocidentais da Cleópatra: Carregada, com escravos colocando frutas em suas bocas e outros atrás abanando com grandes penas de pavão. Mas olhando por outro lado..... Em qualquer lugar do mundo ocidental, ter um filho em tal país é garantia de cidadania!!!! Israel é um lugar complicado, a única democracia no oriente médio, mas uma democracia sem Estado laico, querendo afirmar uma identidade judaíca no meio de um monte de países que querem o fim dos judeus. E já mudando de assunto, mas ainda falando sobre o fim dos judeus, hoje as sirenes soaram fortes em Israel. Em tempos de paz, os desgraçados do Hamás vêm e arrumam uma guerra para tirar dinheiro da ONU. E falando em sirenes e cigarros, eu escolhi ficar no lugar onde eu fiquei, porque alí passavam vários ônibus, tinha supermercado, era bem perto de tudo (apesar que a concepção de "perto" minha era bem diferente dos Israelenses), mas principalmente porque os mísseis do Hamás raramente caem em Tel Aviv. Mas como tudo na minha vida, eu estava sendo muito ingênua em achar que não iriam mandar um míssil na minha cabeça! Três meses, bem poucos atentados terroristas aconteceram, uns dois esfaqueamentos e um atropelamento. Mas no último dia, eu estava arrumando minhas coisas quando as sirenes começaram a soar fortes, aquilo era muito alto! Meus vizinhos de andar já tinham saído para trabalhar quando as sirenes começaram a tocar, desci as escadas sem saber o que fazer. Sério, quando as sirenes tocam, a gente não sabe de que lado vem o míssil, já imagina caindo à direita, em todos os lugares, mas não muito longe das nossas cabeças! Até mesmo o lugar que me instruíram a ficar em caso as sirenes tocassem, não parecia lá muito seguro. Corri pra casa da minha vizinha e já mandei logo em português mesmo: _ Val, que porra é essa?! Aí me lembrei que ela não sabia bulhufas de português, e continuei batendo na porta perguntando o quê estava acontecendo. Ela abriu a porta e foi pegar o celular para ver no aplicativo o que estava acontecendo. Nesse meio tempo, o marido dela gritou do quarto: _ Pode cair um míssil na minha cabeça que eu vou continuar dormindo!!!!! Uma pausa de risos no meio ao caos. Eu disse para ela que estava tendo um mini ataque cardíaco, ela disse calmamente que também estava, porque uma vez ela estava na rua com amigos e caiu um míssil ao lado dela, sem tocarem as sirenes, e ela disse "e os policiais puxavam os corpos para um lado enquanto mandavam a gente ficar do outro lado..." Ela olhou no aplicativo e: _ Gaza bombardeou a gente, mas o domo de ferro interceptou. Pode voltar para casa e arrumar tuas coisas. E eu só tipo: "Noooooossaaaa que calma!!!!!!" Eu precisava de 1, 2 ou três cigarros para me acalmar antes, até que a ovelha veio... Isso e outras coisas da reintrodução no Brasil eu conto depois. Agora é tarde e eu não tenho nada para beber, só água. Mas depois de 3 meses de racionamento de água para beber, água tá com gosto melhor do que qualquer coca zero, gin ou absinto. Mas a minha re introdução a tomar água é coisa que eu pretendo falar em uma postagem só para isso.

terça-feira, 6 de março de 2018

Tel Aviv - Última Semana - Baali Yaakov - Batalha dos Kobis

Esta quase não teve ilustração. Ontem a dona do apartamento ligou. Ela queria tratar das burocracias finais do apartamento, como a conta de luz, etc. Coisas normais da vida adulta, exceto..... Exceto que ela queria que eu pagasse IPTU 3 meses retroativos ONTEM MESMO! Já eram quase dez horas da noite quando ela ligou e eu disse que ontem eu não tinha dinheiro, que ela teria que esperar até hoje. Ela perguntou que horas eu voltava e eu disse: "Close to midnight" (perto da meia noite), mas não havia nada no mundo que fizesse ela entender o que era "midnight", então eu disse: "Depois das onze da noite". Ela parecia ter entendido. Ela também me perguntou se poderia trazer gente para olhar o apartamento 13h, 13:30h , eu disse que não estaria em casa, mas para mim, tudo bem. Acontece que hoje eu perdi a hora. 13h eu ainda estava em casa. Ela me ligou dizendo que viu minha janela aberta se ela poderia vir, mas eu estava bem trocando de roupa. Trocando de roupa é outra expressão que ela também não sabe em inglês, então pedi a ela "no máximo cinco minutos". Eu não sabia se iria para Jerusalém, mar morto ou na praia aqui mesmo. Eu só precisava ir.... Então ela subiu, e subiu sozinha, e eu esperando as tais pessoas que iriam ver o apartamento. Então ela olha para mim e pergunta: _Cadê o dinheiro?! Sim, no maior estilo: "Where's ma money, motherfocker!?" Olhei pra ela com aquela cara de placa em branco ??????????? Ela me perguntou se eu não tinha saído ainda, eu disse que não. Maws este ser se comporta como uma criança que nunca ouviu um "não" na vida. Antes de eu dizer que eu tinha combinado de trazer o dinheiro para ela perto da meia noite e que uma hora da tarde ele disse que viria com gente para olhar o apartamento, ela foi embora. Decidi que nem Jerusalém, nem mar morto. Eu iria para uma praia em Tel Aviv mesmo. Peguei o ônibus 16, mas não lembrava onde deveria saltar, meus amigos não estavam respondendo nem no whatsapp nem no facebook, então saltei no ponto do Cheers pub, que era onde eu conhecia. Me senti muito mal o tempo inteiro na praia. De certa forma, eu não via a hora de terminar minha cerveja e ir embora. Acabei tomando uma enquadrada da polícia, porque a guria que estava na mesa na minha frente estava fumando maconha (não exatamente como tratam a maconha aqui. Não parece legalizada, não vejo coffee shops ou farmácias vendendo maconha, mas o uso parece descriminalizado). Eu estava lá na minha mesa viajando na maionese quando uma voz feminina diz: "Hey, hey! Eu estou falando com você! Apaga isso!" Eu olho pro lado e era uma policial, e eu tipo: "Apaga isso o quê?! Aqui é permitido fumar! Todas as mesas têm cinzeiros!" Aí que a policial viu que quem estava fumando maconha não era eu, era a guria na mesa da frente, nem pede desculpas direito e já dá uma prensa na guria, que apaga o baseado, mas não bota fora. Vinte minutos depois que a polícia passou a guria começou a fumar maconha como se fosse uma maria-fumaça. Eu não tenho nada moral, religiosa ou qualquer coisa do tipo contra a maconha. Não gosto do cheiro e tenho um certo trauma que depois de anos de uso, mais de 15, a maconha deixou meus amigos tão espertos e inteligentes quanto o Bob Esponja (ok, outros se fuderam muito mais do que apenas ficarem menos inteligentes que um cachorro, mas eu não quero falar sobre isto em todos os textos). Mas de alguma forma aquele cheiro estava me irritando muito. Se eu pudesse chamar um táxi para me buscar na areia da praia, eu teria chamado. Mas mudei de lugar e as coisas deram uma leve melhorada, mas ainda assim eu não estava me sentindo bem. Resolvi subir de volta para a rua Allenby, comprar cigarros, sacar dinheiro para pagar a véia mal amada e pegar um táxi para casa, mas como eu já estava em Allenby..... Dei uma passadinha no Cheers Pub. Alguns rostos conhecidos, alguns turistas falando em inglês. Aí que começa a batalha dos Kobis. A Ovelha, a véia mal comida, mal amada, aquela que se esforça muito para ser odiada por todos, começa a me ligar como uma louca. Bom, a gente chama ela de mal comida/mal amada porque tudo é assim: "Ah, se meu marido Yaakov fica sabendo disso...." Em tudo a mulher tem que lembrar os outros que ela tem um marido. Uma coisa bem 1800 e roda quadrada quando a mulher só valia alguma coisa se tivesse um marido. O Tempo todo a mulher tem que dizer "Baali Yaakov" (meu marido yaakov). Acontece que por ironia do destino (ou não), "Yaakov" é um nome ultra comum em Israel, geralmente encurtado para "Kobi". Aí quando alguém fala de um Kobi, a pergunta seguinte é sempre: "Qual deles?". Música alta no bar, não dá para atender o telefone ou ligar de volta, eu começo a mandar mensagens. Até que uma amiga minha começa a me mandar mensagens dizendo que é melhor eu voltar para casa porque a mulher está louca atrás de mim, que ela poderia fazer coisas que eu também não sei, porque minha amiga mandou em áudio e não deu para abrir o áudio no meio de tanto barulho, mas creio que ela estaria se referindo a colocar minhas coisas para fora. Por algunss minutos eu pensei em chamar meu amigo Kobi para vir para casa comigo, botar medo na mulher. Mas então eu caí na real: _ Que tipo de mulher seria eu se tivesse que ficar grudada na barra das calças de um homem?! Além do mais iria tirar o cara do bar só para testemunhar barraco! Então mandei a louca mal comida chamar o marido, a filha, todos os filhos homens porque eu precisava conversar com ela, e que eu já estava pegando um táxi. Eu mal tinha chegado na rua quando meu whatsapp começa a apitar com mensagens dela dizendo somente: "???????" Em outras palavras, nem tempo para chegar de taxi eu poderia ter. _ Me dá o dinheiro! _ Primeiro você vai ter que me escutar! _ Não vou escutar nada, Ariela, eu sou o chefe aqui! _ É o chefe, mas eu não sou tua escrava! _ Amanhã a gente conversa! _Não! Eu quero conversar hoje! Não quero mais ver tua cara até o dia em que eu te entregar o apartamento. _ Amanhã eu te boto para fora! _ Bota que eu chamo a agência judaica e nunca mais tu vais conseguir alugar para outro judeu! Nesta hora a bicha tremeu nas bases.bateu a porta na minha cara e começou a gritar com o marido. Eu bati de volta na porta e mandei ela chamar o marido porque eu queria falar com ele. Nesta hora não tinha mais "Baali Yaakov"! Nesta hora eu senti que ela não passava de uma inútil. Criou os filhos e não tinha mais o que fazer da vida e o marido colocou ela para administrar os apartamentos, coisa que ela faz muito mal feita! Era como se o marido tivesse dado um jogo de lego pra criança calar a boca e ficar quieta, ocupada. O barraco foi um tanto tragicômico. Eu sou significantemente mais alta que ela, ela pulava para pegar o dinheiro! :D Bom, o único motivo pelo qual eu aceito pagar essa taxa de IPTU retroativa a 3 meses é que ela alugou o apartamento para mim bem abaixo da média. Mas parece que depois ela se arrependeu em ter alugado por aquele preço e vive tentando me extorquir. Por exemplo, eu tenho um fogão que nunca foi ligado, pois o gás é central e em três meses ela não mandou ligou o gás, porque o gás vem incluso no aluguel. Sim, eu tenho que sair amanhã, e sim, eu tenho medo de na hora em que eu voltar minhas coisas estejam do lado de fora. Mas ela age de um jeito que quanto mais eu evitava entrar em atrito com ela, mais ela abusava, de chegar o ponto de ela trazer alguém aqui para casa para ver a minha geladeira. Pô, muito obrigada por tentar me ajudar a vender a geladeira que não tem como eu levar para o Brasil, mas........ Eu não te pedi ajuda! Já foi sofá gigantesco que ela tentou botar dentro da minha casa sem eu querer sofá, aquecedor de água que ela achou no lixo, dois criados mudos que ela me obrigou a pegar porque a filha dela estava jogando fora..... Como uma pessoa que tem a casa invadida assim se sente?! Tudo o que eu tenho que pagar é sempre "pra hoje", como se meu dinheiro desse em árvore: "700 NIS?! `Peraí que eu vou alí colher...... Dá pra ver daqui que um pé de dinheiro está dando lindas cédulas de 200 NIS!" O barraco terminou com ela dizendo que eu fumava muito e que eu bebia também, que ela conseguia sentir meu bafo. Eu disse: _ Eu sei que você sente meu bafo, afinal, eu estava bebendo com amigos quando eu tive que vir correndo para casa para te pagar! _ Você sempre tem garrafas em casa..... _ Eu bebo é com meu dinheiro e em nenhuma hora eu disse que não iria te pagar, eu só te disse para por favor me falar com antecedência porque eu estava com o Kobi...... Mano, o medo que essa mulher tem do Kobi huahuahauhauahauahauhauahauahauhauahauahau Mal ela sabe que são três pessoas diferentes! Achando que é uma pessoa só, é o Wolverine, o Super-Homem e semi-deus porque ele também é onipresente huahauahauahauahuahauahau Ela saiu gritando e trancando as portas e as janelas da casa. Sinal de respeito, afinal eu nunca trouxe meus amigos aqui para casa e ela não faz idéia quem são. E prometeu me botar para fora amanhã. Ser colocado para fora nunca é uma boa experiência, principalmente amanhã que eu vou ficar o dia inteiro fora, mas olhando pelo lado financeiro, eu não vou ter que pagar 390 do IPTU e nem 800/900 da conta de luz, pois logo que eu quebrei o pé, fiquei umas três semanas direto em casa e fez muito frio, o aquecedor vivia no talo. Tenho lugar para ficar, mas até mesmo um hotel sai mais barato que isso. Entretanto, creio que na hora de perder dinheiro, o marido Yaakov realmente entre em ação. Agora vou nesa, o dia promete ser realmente longo e ainda tem show do Eluveitie. 3

domingo, 4 de março de 2018

Tel Aviv - Dias Finais - Chag Purim Atsuv

Passei o dia inteiro com sono, deu umas sete horas da noite e meu cérebro despertou, fiquei ligada no 220V. Ah, antes de começar, gostaria de dizer que eu estarei em Israel até o próximo dia 13/03, daqui a Jerusalém é bem fácil de chegar e eu vou voltar lá mais umas duas vezes. Então quem quiser o nome no kotel é só mandar e-mail para ariela.el33tbr1@gmail.com Bom, são meus dias finais aqui, passei o dia em casa porque ainda estou esperando meus medicamentos. Mais uma vez a desinformação reina em Israel. Quinta passada o carteiro veio, mas ninguém atendeu. Eu liguei para ele e ele disse que só domingo. Pois bem, estive sem sair um minuto longe do celular e nada. Eu disse para uma amiga minha que quando desse 2 ou 2:30 da tarde eu iria ligar. Ela disse para eu ligar naquele momento (pontualidade não é exatamente uma coisa que os israelenses conhecem bem, mas encheção de saco é). Liguei e a mulher disse que meu pacote não estava na lista de entrega de hoje, que era para eu esperar receber uma mensagem. Não recebi a mensagem e liguei de novo, o cara disse para eu ir às 17h buscar os medicamentos. Poucos minutos para as 17h o Taxista também não sabia onde ficava o DHL dentro do aeroporto (não, aqui ninguém nunca sabe de nada), fui ligar para lá para colocar o taxista no telefone com eles e advinha?????? Pois é, já tinha fechado. Ontem uma amiga minha mandou uma mensagem: "Só aconteceu desgraça em Israel, vem embora". Bom, eu não sou de me abater tão fácil. O primeiro "Vem embora" que eu recebi foi quando eu quebrei o pé. Eu estava procurando por fotos e achei o dia em que eu quebrei o pé: 07/01/2018. Não foi fácil, as primeiras três ou quatro semanas, mesmo com o robofoot, eu não conseguia andar, mas aí juntou também o fim dos meus medicamentos, e problemas com o itaú que janeiro passou um mês em branco para mim. Exceto pela parte que todo tratamento médico aqui me custou os olhos da cara e que eu fugi do hospital, e o que aconteceu na segunda noite de Purim, nada teve a ver com Israel em si. Sim, eu tive um surto dias atrás quando o Itaú bloqueou minhas operações de câmbio, e não foi só por causa do itaú, eu não aguentava mais acordar e pensar: "Que abacaxi eu tenho que descascar hoje? Até agora eu não tenho problemas, mas eu sei que eles vão aparecer de algum lugar"
Eu não estou gritando e chorando por um problema, eu estou gritando e chorando porque faz mais de um mês que todos os dias eu fico no telefone só resolvendo problemas (no Brasil, se isto interessa a alguém)
Agora nos últimos dias bateu uma sensação ruim, eu quero ir embora, mas eu não quero ir embora. Acho que é só mesmo a sensação de ter que mudar tudo de novo que me apavora. Acho que eu já falei isso antes: meu pai morreu, meu tio que estava fazendo o inventário da minha e do meu pai também morreu. Eu não fiquei tanto tempo fora assim para morrer minha família inteira! Mas agora olhando para trás, eu não fiz nem a metade das coisas que eu planejava fazer. Essas pessoas nas fotos são Israelenses que eu conhecia desde o Brasil. Se me perguntarem o que eu mais gosto em Israel, são as pessoas. Mas quando um Israelense pega pra ser ruim, nem Satanás quer conversa com a pessoa. Tipo.... A Ovelha! Me ligou hoje 11:17 dizendo que iria trazer uma pessoa para ver o apartamento meio dia. Sim, isto é ruim, mas pior foi o que ela disse: _ Levanta e limpa o apartamento! Eu sou escrava dela agora?! Eu trabalho para ela agora?! Essa mulher se esforça muito para ser odiada por todo mundo! Mas eu moro há séculos nos arredores da UFSC e eu sei como esse povo que herda terreno e constrói tudo mal construído se comporta. Nenhuma novidade aí. A minha sorte é que uma amiga minha não estava trabalhando, ela veio e me ajudou a arrumar a casa. A casa que estava um caos pelo que aconteceu na segunda noite de Purim. Por isso: Chag Purim Atsuv (triste feriado de Purim) Eu com minha roupa de assombração, comprada somente para esta ocasião..... e tudo sujo de areia e o lençol vomitado. Eu e um casal de amigos fomos a um bar, tinha dose dupla por mais de uma hora e meia, viramos absinto à torto e à direito. Mas sempre chega aquela hora em que "saco vazio não para em pé". Fomos comer shawarma no lugar ao lado, e senta ao nosso uma mesa de...... Brasileiros! A maioria estava de aliyah (mudança permanente para Israel), mas era uma galera jovem, estavam passados que com eles veio "gente muito velha, quuase 30 anos!" (sic). Mas chegamos à conclusão que nada no mundo é impossível, exceto conseguir informação certa em Israel, é melhor perguntar no facebook, porque aqui ninguém nunca sabe de nada. E eu cheguei à conclusão que aliyah é coisa para gente nova, há três meses eu voltei a morar como estudante, eu não passei o inferno na faculdade e depois da separação para viver como estudante para sempre (dividindo casa, bebendo na rua porque tem bebida barata, pulando de galho em galho). Bom, meus amigos foram embora, o que estava virando shots de absinto comigo parou de beber há um tempo, agora ele só bebe em ocasiões especiais. VVoltei para o bar e uma figura conhecida começou a me torturar com as músicas. O tempo todo eu pensava o que eu iria alegar no tribunal para diminuir a minha pena, porque eu iria pular o balcão e enfiar um picador de gelo na garganta dele, e passei boa parte da noite com olhar fixo nele enquanto ele me torturava pedindo as músicas que ele sabia que eu tinha histórias com elas. Viagem muito errada a minha...... Não tá gostando? Cai fora, vá para outro lugar, não mata o cara. E isso foi o início da minha morte. Já comentei algumas vezes aqui que as histórias do Soldado Jacó são todas inspiradas em fatos reais, ou que aconteceram comigo ou que eu testemunhei. Bom, este cara que estava me torturando com as músicas, deu uma saída do lugar onde se pede as músicas e começou a tocar Run To The Hills. Dava para ver o constrangimento na cara dele. O bar todo empolgado enquanto ele se espremia em uma pilastra. Fui ao banheiro e resolvi sentar ao lado dele e a pedir música também. Pedi The Trooper (fala sobre a guerra da Crimea, a família da mãe del é da Crimea). O incômodo dele era visível, mas os dois caras que trabalham no bar não entraram num acordo, então eu pedi "These Colours Don't Run" Ele jogou uma nota de cinquenta em cima da mesa do bar e foi embora. No fechamento do bar eu perguntei para onde ficava a praia. Um disse para seguir reto a rua até o final, o outro disse que era para virar à esquerda. na esquina à esquerda, perguntei a um homem que andava na rua onde ficava a praia. Ele disse que estava indo para lá, eu sabia que não estava, que só estava me seguindo, mas não dá para chamar a polícia porque alguém está indo para o mesmo lugar que você. Chegando na praia o cara insistia que eu subisse com ele na casa dos salva vidas para fumar maconha. Taí duas coisas que eu não faço: fumar maconha e entrar em casa de salva vidas com algum desconhecido em quem eu não tenho interesse algum. MACONHA! MACONHA! MACONHA! MACONHA! Essa merda que estragou a vida de vários amigos meus, se eu pegar na mão só se for para jogar no mar (ou na privada, dependendo do caso), mas eu sei que tem umas junkies por aí que abririam as pernas por qualquer "dez de beck", mas não é meu caso, nem com bebida, nem com cigarro muito menos com drogas banidas. Já quando eu tinha uns 20 e poucos anos as gurias começaram a ficar mal faladas por beberem nas mesas com os caras e não ficarem com eles, comecei a fazer questão de pagar pela minha bebida e aprendi que não dava para sair com cinco pila e voltar carregada para casa. Bom, o cara tomou o rumo para a casinha dos salva vidas e eu fui para o outro. Quando de repente o sujeito pula na minha frente, me pergunta pra onde eu tava indo, me pega pelos cabelos, me arremessa no chão e começa a me enforcar dizendo que vai ficar pior! Mano do céu! Eu já devo ter tido uns 52 anjos da guarda, todos eles se aposentaram por invalidez! Enquanto ele dizia que aquilo não era nada, que ele iria fazer pior, um carro começou a piscar os faróis em cima da gente! Ele tentou correr, pois na hora em que a gente olhou estava passando uma viatura da polícia e o carro continuava piscando os faróis. _"Agora tu vai ficar, filha da puta!" Acontece que eu percebi que não tinha ninguém jogando os faróis em cima da gente, a gente só estava perto de uma esquina e os carros passavam no quebra molas e pareciam estar piscando os faróis na gente. Saí correndo, peguei minhas coisas, que estavam tipo há uns 7-10 metros de mim (o filha da puta me jogou longe). Então passou uma viatura da polícia..... aí o vagabundo começa a correr atrás de mim pedindo perdão. Perdão para estuprador é ficar 5 anos aguardando julgamento numa cela com outros 20 numa cidade quente, tipo Teresina! Também existe o inferno gelado das prisões da Rússia, realmente não sei qual é a pior. Ver teus pés e mãos gangrenando de frio é uma punição tão ruim quanto ficar a mais de 40ºC o ano inteiro. Corri para a primeira viatura de polícia e... NADA! Segunda viatura e NADA! Terceira.... Quarta... Aí pararam as viaturas. Uma guria que trabalha numa loja veio me socorrer, ela chamou a polícia. Passaram várias viaturas. Não sei qual polícia é a ´pior: De Israel ou do Brasil. Ambas enrolam um monte para dar bastante tempo pro criminoso fugir e eles não terem que fazer nada. Mas a polícia de Israel parece pior, parece aquela parcela da população tão inútil que só serviu mesmo para entrar para a polícia. Lembram no Brasil quando teus avós diziam que se tu não estudasse tu seria lixeiro/a?! Pois é, aqui em Israel, se tu não servir nem pra morrer na guerra, teu enterro vai ser um desperdício de terra, tu entra pra polícia. Aqui a polícia é tão ruim, que os terroristas ao invés de correrem atrás de civis, eles esfaqueiam a polícia, porque é mais fácil. Assim como a polícia brasileira, insistiam que o cara era sudanês (são muitos fugitivos do sudão aqui). Eu dizia que não, era cidadão americano, eles insistiam que era sudanês. Eu dizia que ele tinha sotaque americano, e eles insistiam que o sotaque não queria dizer nada e que era sudanês. _ Como você sabe que é um cidadão americano? _ Como eu também tenho sotaque porque eu fui muito nova para os EUA. Você não consegue fingir um sotaque em inglês por muito tempo. Mas não acaba por aí. A polícia tinha me perguntado se o cara tinha levado alguma coisa e eu tinha dito que não. sentei em um banco depois que a polícia foi embora e eu percebi que faltava uma parte do meu cabelo. WTF?! O cara roubou cabelo?! A moça da loja disse para eu procurar meu cabelo na areia, não tinha muito sentido ele roubar a mennor parte das extensões. Acabei achando alguns metros de distância. O maluco correu com meu cabelo nas mãos e soltou em algum, porque na hora de correr da polícia, todo vagabundo fica esperto. E pede perdão. Entãoo chegou um cara que não falava inglês. Ele tinha os dentes todos desgrenhados e com manchas amarelas entre os dentes (e eu só pensava: pega uma escova de borracha e uma colgate total whitening que isso sai!). Perguntei se ele olharia minhas coisas para eu dar um mergulho. Estava fazendo 11ºC. Isso não é ruim, a temperatura do mar nesta época do ano fica mais alta que a temperatura do ar. Eu sabia que entrando no mar eu perderia os possíveis restos de pele do vagabundo. Mas quem disse que a polícia de Israel mandou fazer corpo de delito? Não morreu, né? já tá na vantagem ¬¬ Mas entrar no mar a 11 graus é fácil, difícil é sair! Voltei para pegar minhas coisas e disse pro cara que eu precisava de um táxi, ele disse que ele mesmo me levaria, mas primeira para eu passar no banheiro. Pensei que ele iria me dar roupas secas para ao menos não molhar o carro, até porque ele entrou no banheiro feminino na frente da tia da limpeza e ela não disse nada. Ele falou para eu entrar numa cambine do banheiro e a besta foi. Ele entrou no banheiro, e que roupa seca que nada! O vagabundo II queria trocar uma carona por um boquete. Mas esse aí era vagabundo profissional e eu perdi uma baita de uma chance de mandar um estuprador pra cadeia e jogar a chave fora, claro, se não passassem vinte viaturas e nenhuma parar..... Era tão vagabundo que eu disse que se ele não saísse eu iria gritar e ele perguntou: "Ice cream?!" - "No, I'm gonna call the cops on you!" Não fala nada de inglês, mas "I'm gonna call the cops on you", correu em um segundo e meio. Até pensei: "Esse é vagabundo profissional", mas sinceramente?! Chamar a polícia duas vezes pelo motivo, e uma polícia que não faz porra nenhuma?! _Tentativa de estupro não é crime; _ Usar drogas não é crime; Tentativa de assassinato não é crime... O que é crime? _Beber nas ruas depois das 11hs da noite ou vender álcool depois das 11hs da noite ¬¬ Esse lugar aqui só não tem um enorme problema com a criminalidade porque ambos as religiões, o islã e o judaísmo têm códigos morais muito severos à respeito de roubo e assalto. Eles podem até te matar, mas não vão te roubar. Chamar a polícia de novo para eu ser o caso 79 e o 80 também e tirarem uma foto do meu passaporte com um tablet para parecer: "óh, nossa! Que polícia bem equipada!' Deu até uma vontade de dizer: "Olha, no Brasil existe uma coisa que a polícia, uma coisa chamado rádio, sabe? Que quando um vagabundo foge, uma viatura passa um rádio para as outras mais à frente... " Mudando um pouco de assunto, o dono da loja que a guria que me socorreu era muito legal, deixou ela sentar comigo por um tempo. Era uma queniana "do mundo", acostumada a ficar pulando de país em pa[ís ao que dá na telha, como eu era antigamente. Ela saiu pulando de país em país até chegar em Israel, o que ela deixou claro que não era a última parada! Senti falta da minha juventude. Era tão mais fácil antigamente.... Mas hoje em dia eu não sinto a menor graça em abrir uma loja cinco horas da manhã num sábado. Minha saúde também não deixa. Um antigo namorado que inclusive acompanhava o These Colours Don't Run, (eu continuo falando com ele) eu contei quando eu quebrei o pé (de novo) e ele me perguntou se eu não tinha uma doença que fazia meus ossos se quebrarem mais facilmente. Eu olho pela janela e acho que ele pode ter um pouco de razão nisto. A última vez em que eu vi a cor do sol foi no verão 2011/2012 quando eu fazia plantão diurno. Leite eu não posso nem passar perto, mesmo que leite não é uma fonte de cálcio para adultos, a fonte é o sol, vários outros alimentos contém cálcio, leite é completamente dispensável aos humanos adultos, por isso intolerância à lactose é algo tão comum. O ser humano originalmente era intolerante à lactose, e até hoje, né........ Na minha família a gente bebe uma garrafa de vodka, mas se tomar um copo de leite...... já era! As crianças até conseguem absorver um pouco de lactose, mas os adultos..... E falando em intolerância à lactose e ossos fracos, eu comi uns cookies de chocolate, não caíram bem, eu fui vomitar, tudo parecia que tinha empenado minhas costelas, meus ossos tinham saído de lugar..... Até cheguei a pensar: "Quanto menos leite eu ingiro, mais intolerante eu fico..." Então olhei para a janela e me lembrei que este ano eu fugi completamente do sol. Bom, eu cheguei aqui era "Quase inverno" e estava muito quente, estou indo embora, é quase primavera e hoje já bateu 28ºC, sinal que eu posso ir flutuar no mar morto! É um novo ciclo que se aproxima, agora aqui no hemisfério norte vai tudo esquentar até começar a esfriar de novo, no Brasil vai começar a esfriar até esquentar de novo, e eu quero voltar para o Chanukah do mesmo jeito. Depois de 30 horas de viagem, meu dia foi o mais louco de todos. Já cheguei com cara de "Parece que te mataram!" _ A gente precisa alugar um carro e ir até holon pegar o ingresso do show, depois voltar.... Por que essa cara? _ Porque pra mim ainda é segunda, mas hoje é quarta! Liga pro Kobi, por favor. _ Liga tu que é amiga dele! _Eu não consigo nem falar.... Cheguei no segundo dia de chanuká, não trouxe minha chanukiah, porque achei que todo mundo aqui iria ter uma, acenderam uma chanukiah no meio do show, foi inesquecível, comecei a chorar, mas desta vez não tinha problemas, porque eu fui posta para fora de casa duas horas antes do show e não deu tempo de fazer maquiagem. Minha cara de bolacha inchada não era bebida, só tomei água, eram horas chorando mesmo. Mas eu vi os caras do Orphaned Land recebendo o disco de ouro do Mabool no palco, uma emoção e tanto por uma banda por quem eu não dava nada em 2004. "Gostei DESTE disco, um dia quando eu estiver em Israel e vocês estiverem tocando eu vou" Mas nem tudo funciona como a gente imagina, eu vim, e foi para ver receberem o disco de ouro. Também tinha planejado os 3 meses aqui pulando de galho em galho, mas não tenho mais essa energia toda, ou sei lá, odeio ser turista, talvez seja isto que esteja causando minha angústia: tenho 8 dias para ser turista (eu vi que na outra postagem não carregou o vídeo que eu fiz em jerusalém então subi no youtube...... minha respiração fica meio angustiante). Enfim, uma hora da manhã, preciso dormir, porque se eu não for na embaixada amanhã de manhã eu tô fodida. E se não buscar os meus remédios também estarei. Eu sei que eu prometi um monte de coisas e não cumpri, uma delas foi colocar numa plataforma mais moderna. Isso fica para quando eu retornar ao Brasil. Também terminar os contos do Soldado Jacó, também fica para quando eu retornar ao brasil. Já fechei a lista de contos, apesar que incluir mais um de Judith pulando o balcão e esfaqueando Jacó é algo que faz meus dedos coçarem. Talvez mais um conto. Já tenho a Próxima histyória, é contemporânea, nada de guerras, ou só um pouquinho 3:) Nada a ver com Soldado Jacó, talvez algo no estilo "O Tempo E O Vento", mas nada "mais do mesmo".